Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de junho de 2019.
Dia da Liberdade de Imprensa.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Colômbia

Edição impressa de 07/06/2019. Alterada em 07/06 às 03h00min

Comandante-chefe do Exército é acusado de autorizar 283 execuções

O comandante-chefe do Exército colombiano, Nicácio de Jesús Martínez Espinel, está sendo acusado de comandar uma brigada responsável por 283 execuções extrajudiciais durante o conflito com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), segundo reportagem do jornal espanhol El País, citando o Ministério Público. As execuções teriam ocorrido quando Espinel esteve à frente, entre outubro de 2004 e janeiro de 2006, de uma brigada que atuou nos departamentos caribenhos de La Guajira e Cesar.
Pelo menos 23 casos remontam a esse período, quando, segundo o jornal, o general era chefe do Estado-Maior da brigada. O diário espanhol explica que os documentos foram entregues por fontes próximas da investigação dos chamados "falsos positivos", que se referem aos assassinatos de civis cometidos por militares durante o conflito armado e apresentados depois como guerrilheiros das Farc.
Espinel foi indicado em dezembro pelo presidente Iván Duque para assumir o comando do Exército e deve ser promovido a general de quatro estrelas, a máxima graduação na hierarquia. O debate sobre sua promoção causou uma grande discussão política na Colômbia e provocou críticas de várias ONGs.
CORRIGIR