Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Sudão

Edição impressa de 06/06/2019. Alterada em 06/06 às 03h00min

Número de mortos no Sudão chega a 60 e líder da oposição é preso

Yasir Arman, líder sudanês da oposição, foi preso nesta quarta-feira (5), segundo o porta-voz de seu grupo, o Movimento Popular de Liberação do Sudão - Setor Norte. O motivo da prisão não foi informado.
Arman voltou ao país de um exílio no mês passado, após a deposição do ditador Omar al-Bashir. Em 2011, ele foi sentenciado à morte por rebelião contra o regime. A prisão ocorreu dois dias depois da repressão a opositores em um acampamento em frente ao quartel-general das Forças Armadas, em Cartum.
O Comitê de Médicos Sudaneses reportou 60 mortes e 300 feridos desde o ocorrido. Grupos de oposição afirmam que 40 outros corpos foram encontrados no rio Nilo e levados para um destino desconhecido na terça-feira.
O governo afirmou, em discurso televisionado, "lamentar o ocorrido" e que vai iniciar uma investigação sobre os culpados. O tenente Abdel Fattah al-Buhane, chefe do Conselho Militar, pediu em troca "a abertura de uma nova página" com os líderes da oposição, que romperam contato com o governo no dia do massacre. No entanto, a oposição negou a oferta, que veio horas antes da detenção de Arman. Ontem, prosseguiam os protestos em Cartum.
CORRIGIR