Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Relações Diplomáticas

Edição impressa de 06/06/2019. Alterada em 06/06 às 03h00min

Governo Trump impõe novas restrições de viagens a Cuba

A administração de Donald Trump impôs novas restrições de viagens a Cuba na terça-feira (4), em um movimento para pressionar a ilha - Washington acusa Havana de apoiar o regime venezuelano do ditador Nicolás Maduro. O presidente norte-americano proibiu viagens educativas em grupo e também embarcações recreativas e de passageiros, inclusive cruzeiros e iates, assim como viagens em aviões comerciais e particulares.
"Cuba continua a desempenhar um papel desestabilizador no Hemisfério Ocidental, fornecendo uma plataforma comunista na região e apoiando adversários norte-americanos em lugares como Venezuela e Nicarágua, ao fomentar a instabilidade, minar o Estado de Direito e suprimir processos democráticos", declarou o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, ao anunciar as medidas.
Os Estados Unidos aplicam desde 1962 um bloqueio econômico contra Cuba, a fim de forçar uma mudança de regime do país caribenho, que é comunista. Desde a chegada de Trump ao poder, o governo tem reforçado as medidas contra a ilha, minando a aproximação conduzida por seu predecessor, o democrata Barack Obama. O republicano já havia proibido as visitas individuais e limitado as interações comerciais com o país.
O fim das viagens educacionais em grupo será, provavelmente, um golpe para o turismo na ilha, que decolou com as iniciativas tomadas por Obama. O projeto do Tesouro proíbe as chamadas "viagens educacionais coletivas", mecanismo que permitia a grupos de turistas passarem algum tempo com cubanos, depois de chegarem à ilha.
CORRIGIR