Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

União Europeia

Edição impressa de 30/05/2019. Alterada em 30/05 às 03h00min

Angela Merkel quer acordo rápido sobre o próximo presidente da Comissão Europeia

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou que deseja um acordo rápido sobre quem comandará a Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia (UE). A coalizão de governo, porém, se divide sobre o assunto.
Em suas primeiras declarações sobre o resultado da eleição para o Parlamento Europeu, Merkel disse que tanto o bloco de centro-direita como os parceiros de coalizão alemã, de centro-esquerda, apoiam a ideia de que o próximo presidente da Comissão Europeia deve ser um conservador. A chanceler espera ter uma solução o mais rápido possível porque o Parlamento Europeu se reunirá no início de julho e seria desejável já haver uma proposta. Seu bloco apoia o alemão Manfred Weber, enquanto os social-democratas, de centro-esquerda, preferem o holandês Frans Timmermans.
Merkel também negou ter declarado que a presidente de seu partido, Annegret Kramp-Karrenbauer, seja incapaz de governar o país. A Bloomberg publicou declarações anônimas de dois funcionários do governo alemão afirmando que a chanceler não confia na correligionária para assumir o posto de chanceler e estaria cada vez mais decidida a se manter no cargo até o fim do mandato, em 2021.
Kramp-Karrenbauer, considerada a favorita de Merkel para sua sucessão na presidência da União Democrata-Cristã, assumiu a liderança do partido em dezembro. Desde então, tem focado seus esforços na reconciliação entre membros conservadores e centristas, em um momento em que o partido perde apoio e registrou sua pior votação em uma disputa nacional na eleição para o Parlamento Europeu desde a Segunda Guerra Mundial.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia