Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

venezuela

Edição impressa de 14/05/2019. Alterada em 14/05 às 03h00min

General chavista ataca Maduro e pede rebelião militar na Venezuela

Um general que foi próximo a Hugo Chávez se rebelou contra Nicolás Maduro e pediu às Forças Armadas da Venezuela que se levantem contra o presidente, que tem contado com o apoio dos militares para se manter no poder, apesar do grave colapso econômico no país. Ramón Rangel disse que o governo venezuelano está sendo controlado pela "ditadura comunista de Cuba".
"Eu apelo à Força Armada Nacional Bolivariana para aderir ao Artigo 328 (aprovado em 1999, atribui aos militares 'a manutenção da ordem interna e a participação ativa no desenvolvimento nacional'). Não vamos continuar dizendo 'sempre leais, traidores, nunca', porque estamos sendo traidores, traidores de uma Constituição Nacional", afirmou.
Formado pela Escola de Aviação em 1987, Rangel foi um dos militares que participou da frustrada tentativa de golpe contra o então presidente Carlos Andrés Pérez, em 27 de novembro de 1992 (falecido, Pérez foi presidente entre 1974 e 1979, e entre 1989 e 1993). Na ocasião, a Venezuela passava por uma grave crise econômica, e Chávez e outros quatro tenentes-coronéis do Exército mobilizaram oficiais na Operação Zamora para tentar derrubar o governo.
As forças de Pérez controlaram a rebelião, e Chávez e seus aliados - entre eles, Rangel - se entregaram e acabaram presos. A revolta não rendeu frutos, mas catapultou Chávez à vitória eleitoral.
Em sua declaração, Rangel não expressou apoio explícito a Juan Guaidó - o líder da oposição que invocou a Constituição em janeiro para reivindicar a presidência interina, argumentando que a reeleição de Maduro, no ano passado, foi fraudulenta. Assim como outros oficiais que abandonaram o presidente, ele fugiu para a Colômbia no mês passado. Apesar das deserções, o alto escalão das Forças Armadas continua a reconhecer Maduro como presidente.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia