Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

10/05/2019 - 14h57min. Alterada em 10/05 às 14h57min

Venezuela anuncia reabertura da fronteiras com Brasil e Aruba

Estadão Conteúdo
A Venezuela anunciou nesta sexta-feira (10), a reabertura de sua fronteira terrestre com o Brasil e a fronteira marítima com Aruba, fechadas desde fevereiro antes da tentativa da oposição de entrar com ajuda humanitária no país, informou o vice-presidente de Economia, Tareck El Aissami.
"As fronteiras com o Brasil e Aruba são mais uma vez restauradas", disse El Aissami na televisão estatal, destacando, no entanto, que as fronteiras com a Colômbia e as outras Antilhas Holandesas permanecerão fechadas.
Apesar de a divisa com a Colômbia permanecer oficialmente fechada, diariamente milhares de venezuelanos continuam se deslocando para o país vizinho por meio de rotas ilegais, conhecidas como "trochas", para driblar as dificuldades da crise econômica no país socialista.
El Aissami esclareceu que as fronteiras com Bonaire e Curaçao não serão reabertas "até que os dois países acabem com as hostilidades" em relação ao governo de Nicolás Maduro.
Maduro havia ordenado o fechamento total dos limites terrestres com o Brasil e a Colômbia e dos marítimos e aéreos com as Antilhas holandesas em fevereiro, dias antes da tentativa da oposição de levar ajuda humanitária - com apoio dos EUA - aos venezuelanos.
El Aissami afirmou que Caracas precisou tomar essa medida para evitar uma "tentativa de violação da soberania nacional" da Venezuela, mas ratificou o interesse do governo Maduro de dialogar com os países vivinhos. "Estendemos nossas mãos para o diálogo sincero", completou. (Com agências internacionais).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia