Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Egito

06/05/2019 - 08h18min. Alterada em 06/05 às 08h18min

Egito negocia cessar-fogo entre palestinos e israelenses

Lideranças palestinas em Gaza e Israel acertaram nesta segunda-feira (6) um cessar-fogo, negociado pelo Egito, depois da escalada de violência entre o Exército israelense e grupos armados palestinos ter deixado 25 mortos em dois dias.
Lideranças palestinas em Gaza e Israel acertaram nesta segunda-feira (6) um cessar-fogo, negociado pelo Egito, depois da escalada de violência entre o Exército israelense e grupos armados palestinos ter deixado 25 mortos em dois dias.
O cessar-fogo entrou em vigor na madrugada desta segunda, de acordo com representantes do movimento islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza, e do grupo extremista palestino Jihad Islâmica. Um funcionário do governo egípcio também confirmou a informação sob anonimato.
Israel não confirmou o cessar-fogo, mas levantou as restrições à circulação de pessoas na região de fronteira com Gaza, incluindo a reabertura de escolas. Segundo os militares israelenses, a situação na região é de retorno à rotina.
Uma nova escalada de violência, com disparo de foguetes a partir de Gaza e bombardeios por Israel, causou - desde sábado - ao menos 25 mortos, sendo quatro deles civis israelenses e 21 palestinos. Destes, ao menos nove eram militantes de movimentos armados.
Médicos palestinos afirmaram que, entre os mortos, estão duas grávidas e duas crianças. O Exército israelense negou que a morte de uma das mulheres grávidas e de uma criança tenha sido provocada por seus disparos, afirmando que elas foram vítimas de um míssil palestino que errou o alvo.
Esta é considerada a maior escalada de violência na região desde a guerra de 2014. Desde 2007, quando o Hamas assumiu o poder em Gaza, Israel e militantes palestinos já entraram três vezes em guerra.
A nova onda de violência começou em seguida às violentas manifestações de sexta-feira passada ao longo da fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel. Quatro palestinos, incluindo dois militantes do Hamas, foram mortos depois de dois soldados israelenses terem sido feridos num ataque a tiros de um palestino, durante os protestos.
As manifestações de sexta-feira começaram em março de 2018 para reivindicar o regresso dos refugiados e o fim do bloqueio israelense à Faixa de Gaza.
Israel afirmou que seus bombardeios foram uma resposta a 690 mísseis e morteiros disparados pelo Hamas e pela Jihad Islâmica desde sábado. Israel respondeu com 350 ataques a posições do Hamas, como túneis e depósitos de armas, segundo os militares israelenses.
Um dos mortos no lado palestino é Hamed Ahmed Abed Khudri, que, segundo Israel, era um comandante do Hamas responsável pela transferência de fundos do Irã para facções armadas em Gaza. Ele foi morto em uma ação que os militares israelenses descreveram como um ataque direcionado.
Diante da escalada do conflito, o governo dos EUA ficou do lado de Israel. "Estamos com Israel e apoiamos seu direito de autodefesa contra esses ataques vis", disse uma porta-voz do Departamento de Estado.
A União Europeia pediu o fim imediato dos ataques com foguetes da Faixa de Gaza, e as Nações Unidas apelaram a ambos os lados pelo fim dos ataques.
 
Agência Brasil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia