Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de abril de 2019.
Dia do Contabilista.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

conflito

Edição impressa de 25/04/2019. Alterada em 25/04 às 03h00min

Novo IRA admite envolvimento em assassinato de jornalista

Enterro de Lyra McKee foi realizado ontem na Irlanda do Norte

Enterro de Lyra McKee foi realizado ontem na Irlanda do Norte


PAUL FAITH/AFP/JC
O Novo IRA, grupo republicano dissidente que luta pela reunificação das Irlandas, reconheceu na terça-feira seu envolvimento na morte da jornalista Lyra McKee, no dia 18 de abril, e pediu desculpas "completas e sinceras" pela ação. Essa é a primeira morte atribuída ao grupo em três anos.
McKee, de 29 anos, foi atingida por tiros enquanto acompanhava um protesto feito por grupos a favor da unificação na cidade de Derry, na Irlanda do Norte. O ato terminou com carros queimados e mais de 50 bombas caseiras jogadas contra os policiais. A polícia prendeu uma mulher de 57 anos na investigação sobre a morte. Dois jovens, de 18 e 19 anos, que haviam sido detidos previamente, foram liberados sem acusações. O enterro da jornalista foi realizado ontem, em Belfast, e contou com a presença da primeira-ministra britânica, Theresa May.
A violência entre republicanos nacionalistas (católicos), partidários da reunificação da Irlanda, e os unionistas (protestantes), defensores da permanência sob o Reino Unido, deixou cerca de 3.500 mortos até os acordos de paz de 1998. O antigo IRA (Exército Republicano Irlandês), que durante décadas liderou uma campanha violenta pela unificação, aceitou o acordo e em 2005 entregou suas armas, simbolicamente encerrando o conflito.
Alguns grupos menores não aceitaram os termos e mantiveram a luta pela unificação, inclusive recorrendo a violência. Entre eles está exatamente o Novo IRA, fundado em 2012 por dissidentes do antigo IRA.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia