Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 20 de abril de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

França

20/04/2019 - 21h23min. Alterada em 20/04 às 21h35min

Polícia francesa prende 227 em protestos dos 'coletes amarelos'

Foi o 23º sábado consecutivo de manifestações, primeiro após o incêndio da Notre-Dame

Foi o 23º sábado consecutivo de manifestações, primeiro após o incêndio da Notre-Dame


ZAKARIA ABDELKAFI/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Mais um de protestos em Paris terminou com a prisão de 227 manifestantes. O movimento dos coletes amarelos voltou às ruas da França neste sábado (20). Foi o 23º sábado consecutivo de manifestações, a primeira após o incêndio da Catedral de Notre-Dame.
Além do protesto contra a desigualdade social no país, o grupo incluiu também na lista de insatisfações o valor de US$ 1 bilhão prometido para restaurar a igrejaDesta vez, as forças de segurança estavam de prontidão em Paris e em outras cidades. De acordo com os jornais franceses, milhares de pessoas marcharam nas ruas da capital.
Protestos também foram registrados em Toulouse, Montpellier e Bordeaux. Segundo o Ministério do Interior, 60 mil policiais foram convocados para a segurança em todo o país - 5 mil em Paris.
O presidente francês, Emmanuel Macron, deveria ter divulgado esta semana um grande programa de reformas para aplacar a insatisfação social, mas o anúncio foi adiado pelo incêndio na Catedral de Notre-Dame, na segunda-feira. Na sexta-feira, 19, o acesso aos arredores da catedral estava fechado.
A polícia também impediu a entrada de pessoas em outros pontos emblemáticos, como a Avenida Champs-Elysées, o centro de Lyon e a praça do Capitólio de Toulouse. "Não é razoável permitir a passagem de protestos de 5 mil a 10 mil pessoas nos arredores da Notre-Dame", disse Didier Lallement, chefe da polícia de Paris.
A comoção nacional provocada pelo incêndio da Notre-Dame irritou alguns membros do movimento dos coletes amarelos, especialmente pelos em razão dos milhões de euros prometidos pelas maiores fortunas francesas para a reconstrução da igreja. "Ninguém é contra o dinheiro para a Notre-Dame, mas e os pobres?", questionou Jean François Mougey, membro do sindicato dos ferroviários.
Em Paris, foram quatro marchas, que rapidamente descambaram para o confronto. Alguns dos manifestantes e black blocs colocaram fogo em canteiros, saquearam lojas e danificaram automóveis. Dezenas de motocicletas foram incendiadas na região da Place de la Republique e do Boulevard Richard Lenoir. Em resposta, os policiais lançaram bombas de efeito moral. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia