Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 14 de abril de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

finlândia

Alterada em 14/04 às 18h55min

Partido Social-Democrata vence eleição parlamentar na Finlândia

Com 99% dos votos apurados, a sigla conseguia 40 cadeiras no Parlamento de 200 membros

Com 99% dos votos apurados, a sigla conseguia 40 cadeiras no Parlamento de 200 membros


Antti Aimo-Koivisto /Lehtikuva/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O Partido Social Democrático obteve a maior parte dos votos na eleição parlamentar da Finlândia, neste domingo (14), em sua primeira vitória desde 1999. Com 99% dos votos apurados, a sigla conseguia 40 cadeiras no Parlamento de 200 membros, com 17,7% dos votos, seguido pelo eurocético Partido Finlandeses, contrário à imigração, com 17,5%.
O governista Partido Central, atacado pelos rivais por suas medidas de austeridade, deve ficar em quarto lugar. Já o Partido Finlandeses integra uma aliança de partidos populistas que busca se tornar o mais forte da legislatura da União Europeia e transformar radicalmente as políticas do bloco em imigração, segurança, família e meio ambiente.
O conservador Partido Coalizão Nacional aparecia com 37 cadeiras e o Centro, do premiê Juha Sipila, 31. Sipila está deixando o posto e seu partido perdeu mais apoio que qualquer sigla em comparação com a eleição anterior, de 2015. O governo perdeu força aparentemente ao deixar de levar adiante sua ambiciosa agenda de reforma nos setores de saúde e assistência social.
Analistas viam o resultado como um reflexo do desencanto com a política tradicional na Europa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia