Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de abril de 2019.
Dia do Obstetra.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reino Unido

12/04/2019 - 09h10min. Alterada em 12/04 às 09h10min

Governo americano pede extradição do fundador do site WikiLeaks

Julian Assange foi preso por não comparecer a um interrogatório em uma corte britânica em 2012

Julian Assange foi preso por não comparecer a um interrogatório em uma corte britânica em 2012


BEN STANSALL/AFP/JC
Agência Brasil
O Reino Unido está considerando atender a uma solicitação do governo americano no que diz respeito à extradição de Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, após sua detenção em Londres. A polícia levou Assange, sob custódia da Embaixada do Equador, nessa quinta-feira (11), onde ele estava asilado por cerca de sete anos.
A polícia prendeu Assange por ele não ter comparecido a um interrogatório em uma corte britânica em 2012, enquanto estava em liberdade sob fiança. Também o deteve no âmbito do pedido demanda de extradição por parte dos Estados Unidos. O governo norte-americano disse que Assange é acusado de ter conspirado com um ex-analista do Exército americano para acessar uma rede de computação com dados confidenciais em março de 2010.
O ex-analista da inteligência dos Estados Unidos foi considerado réu convicto por roubo de cerca de 700 mil documentos e por tê-los fornecido ao WikiLeaks. A denúncia diz que Assange pode receber pena máxima de cinco anos de prisão, caso seja considerado culpado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia