Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de abril de 2019.
Dia Mundial do Combate ao Câncer.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

África

Edição impressa de 08/04/2019. Alterada em 08/04 às 03h00min

Genocídio que deixou 800 mil mortos é lembrado em Ruanda

YASUYOSHI CHIBA / AFP/JC
Ruanda lembrou neste domingo o início, há 25 anos, do genocídio que matou 800 mil pessoas. O presidente Paul Kagame e a primeira-dama Jeannette Kagame colocaram coroas de flores e acenderam uma chama no cemitério em massa de 250 mil vítimas no Centro Memorial do Genocídio de Kigali, capital do país. À noite, uma procissão levou 30 mil pessoas até o Estádio Nacional de Kigali, onde foi realizada uma cerimônia à luz de velas. O assassinato em massa da minoria tutsi foi desencadeado em 6 de abril de 1994, quando um avião que transportava o presidente Juvenal Habyarimana foi abatido e caiu em Kigali, matando o líder que, como a maioria dos ruandeses, era um hutu étnico. A minoria tutsi foi culpada por derrubar o avião, e bandos de extremistas hutus começaram a massacrar os tutsis, com apoio do Exército, da polícia e das milícias.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia