Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Alterada em 11/03 às 17h33min

Guaidó marca manifestação para amanhã para protestar contra apagão

Guaidó convocou população para manifestações

Guaidó convocou população para manifestações


SÉRGIO LIMA/AFP/JC
Agência Brasil
Em meio ao apagão que atinge a Venezuela há cinco dias, Juan Guaidó, autodeclarado presidente venezuelano, convocou hoje (11) a população para manifestações amanhã (12) a partir das 15h. Em discurso na Assembleia Nacional, ele defendeu a união de forças em busca da consolidação dos direitos. Guaidó lembrou que, em janeiro, havia avisado que dias duros viriam.
O interino responsabilizou o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pelo apagão. "O regime usurpador tenta confundir a todos aproveitando-se da falta de esperança. Nesta etapa, nosso êxito será a união de todos os fatores do país, a exigência dos nossos direitos e a mobilização em nível nacional". 
O apagão é tema principal da sessão desta segunda-feira na Assembleia Nacional. "Continuamos monitorando a situação. Nosso povo continua a viver com a preocupação de novos apagões, enquanto os cínicos mentem e zombam da dor e da morte", afirmou Guaidó na sua conta no Twitter.
A Assembleia Nacional deve analisar hoje a proposta de Guaidó para declarar estado de emergência em todo território venezuelano devido aos impactos causados pelo colapso no setor elétrico. Há informações de organizações não-governamentais que, pelo menos, 17 pessoas morreram nos últimos dias porque hospitais e clínicas não tiveram condições de prestar atendimento.
Guaidó lembrou que, em 2009, o governo venezuelano decretou emergência elétrica e que, em 2013, as instalações de energia do país passaram a ser controladas por forças públicas. Ao comparar o apagão com a falta de luz e alimentos, ele foi aplaudido pelos presentes.
"O ditador bloqueia a água e a luz como bloqueou a ajuda humanitária. Bloqueia comida, medicamentos e a prosperidade da Venezuela. Quem rouba Miraflores [em referência à sede do governo da Venezuela] e queima oportunidades somente quer agravar a tragédia do dia a dia do venezuelano". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia