Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

União Europeia

13/02/2019 - 13h02min. Alterada em 13/02 às 13h02min

Reino Unido minimiza sugestão de que vá buscar adiamento do Brexit

Britânicos contra e a favor do Brext voltam às ruas para manifestações à espera do desfecho da saída

Britânicos contra e a favor do Brext voltam às ruas para manifestações à espera do desfecho da saída


ISABEL INFANTES/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O governo do Reino Unido minimizou relatos de que seu principal negociador para o Brexit, Olly Robbins, teria dito que parlamentares terão de escolher entre apoiar o impopular acordo de divórcio defendido pela primeira-ministra britânica, Theresa May, e o adiamento do processo para retirar o país da União Europeia.
Um correspondente da ITV News diz ter entreouvido Robbins dizer, em um bar de Bruxelas, que o governo iria pedir ao Parlamento para apoiar no fim de março o acordo de Brexit de May, que foi rejeitado pelos legisladores no mês passado, ou buscar uma extensão do prazo para o rompimento com a UE.
O Secretário britânico do Brexit, Stephen Barclay, disse hoje que Londres não está planejando um adiamento, com o argumento de que "a primeira-ministra tem sido bem clara" de que o Reino Unido está comprometido a deixar a UE no dia 29 de março.
Se nenhum acordo for aprovado pelos Parlamentos britânico e europeu antes do prazo final de 29 de março, o Reino Unido terá de enfrentar um Brexit desorganizado, que tende a prejudicar a economia do país.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia