Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 12/02 às 15h43min

Não posso dizer que estou feliz com acordo de segurança de fronteira, diz Trump

Acordo fechado entre republicanos e a oposição democrata para a segurança não agradou Trump

Acordo fechado entre republicanos e a oposição democrata para a segurança não agradou Trump


OLIVIER DOULIERY/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que não estava "muito contente" com o acordo fechado entre a situação republicana e a oposição democrata para a segurança na fronteira, mas não disse que o rejeitará. "Eu não posso dizer que estou muito feliz. Não posso dizer que estou muito contente", comentou ele na Casa Branca.
Na noite da segunda-feira, congressistas disseram que chegaram a um acordo em princípio para evitar a paralisação parcial do governo neste fim de semana. O acordo inclui US$ 1,38 bilhão para a construção de 88,5 quilômetros de novas barreiras ao longo da fronteira com o México, bem abaixo dos US$ 5,7 bilhões exigidos pelo presidente para construir mais de 321,8 quilômetros.
Líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell elogiou o acordo, enquanto o líder do Partido Democrata no Senado, Chuck Schumer, disse que Trump deveria assiná-lo.
Em reunião de seu gabinete, Trump também comentou o quadro nas negociações comerciais com a China. Segundo ele, o país "quer muito" fechar um acordo com os EUA. "Vamos ver o que acontece", disse, nesta semana de negociações entre as partes em Pequim. Fonte: Dow Jones Newswires.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia