Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Alterada em 12/02 às 09h52min

Guaidó convoca manifestação em favor de ajuda humanitária

Há dificuldades para que as doações cheguem aos mais necessitados

Há dificuldades para que as doações cheguem aos mais necessitados


FEDERICO PARRA/AFP/JC
Agência Brasil
O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, convocou para esta terça-feira (12) uma manifestação em favor da ajuda humanitária oferecida por venezuelanos e estrangeiros. Ele pediu que as pessoas saiam às ruas e apelem por seus direitos. Em meio à crise política no país, há dificuldades para que as doações cheguem aos mais necessitados.
Guaidó usou sua conta no Twitter para fazer a campanha "Vamos bem", em que apela para que todos contribuam com os mais carentes. De acordo com ele, há 300 mil venezuelanos com risco de morte. "O momento é de união e luta", disse.
Nessa segunda-feira (11), Guaidó postou nas redes sociais a primeira entrega da ajuda humanitária internacional. Foram 1,7 milhão de cestas destinadas a mulheres grávidas e crianças em estado de desnutrição. Segundo ele, são suplementos alimentares.
Nesta quinta-feira (14) haverá em Washington, nos Estados Unidos, a Conferência Mundial sobre a Crise Humanitária na Venezuela. Especialistas, empresários e organizações não governamentais humanitárias de mais de 60 países articularão esforços para atender às necessidades dos venezuelanos.
Nessa segunda-feira, em Brasília, a embaixadora designada da Venezuela para o Brasil, María Teresa Belandria, reuniu-se com o chanceler Ernesto Araújo. Eles definiram a instalação de um centro de distribuição de ajuda humanitária em Roraima. A diplomata passará a semana em Brasília para organizar as doações. Segundo ela, as prioridades são alimentos, medicamentos, transporte e logística.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia