Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

reino unido

Edição impressa de 06/02/2019. Alterada em 05/02 às 01h00min

May vai à Irlanda do Norte para buscar acordo

A primeira-ministra britânica, Theresa May, viajou para a Irlanda do Norte em busca de apoio para seu plano de retirada do Reino Unido da União Europeia (UE). A premiê se encontrará com empresários e com a presidente do Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla em inglês) e primeira-ministra do país, Arlene Foster. O DUP possui a maior quantidade de assentos na Assembleia da Irlanda do Norte.
A intenção de May é angariar apoio político para encontrar uma solução que permita o acordo do Brexit sem a necessidade de criar uma fronteira mais rigorosa entre a Irlanda, que seguirá no bloco comum, e a Irlanda do Norte, que é parte do Reino Unido. O chamado "backstop", mecanismo emergencial criado para evitar que tenham de ser adotados controles de bens e pessoas na fronteira entre as Irlandas caso a relação futura entre os dois países não esteja pronta ao final do período de saída do Reino Unido da UE, é considerado inaceitável por boa parte dos parlamentares britânicos, incluindo Foster, que considera o mecanismo "tóxico".
Atualmente, a questão é considerada uma das maiores ameaças ao Brexit. Enquanto a UE afirma que o acordo de retirada não pode ser reaberto, o Parlamento do Reino Unido deu autorização a May para tentar acertar com o bloco "arranjos alternativos" que possam substituir o backstop.
Por conta disso, a premiê se encontrará amanhã com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em Bruxelas. Recentemente, o negociador-chefe da Comissão Europeia para o Brexit, Michel Barnier, sugeriu que a entidade estaria pronta para discutir "soluções alternativas" para a fronteira irlandesa durante o período de transição, o que exigiu a aprovação pelo Parlamento britânico exatamente do tratado que ele rejeitou por maioria esmagadora em janeiro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia