Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de fevereiro de 2019.
Carnaval.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

união europeia

05/02/2019 - 10h17min. Alterada em 05/02 às 11h27min

UE confirma reunião sobre Brexit entre Juncker e Theresa May na quinta-feira

Jean-Claude Juncker, receberá Theresa May (foto), para discutir a busca por um acordo para o Brexit

Jean-Claude Juncker, receberá Theresa May (foto), para discutir a busca por um acordo para o Brexit


MATT CARDY/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, receberá na quinta-feira em Bruxelas e primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, para discutir a busca por um acordo para o Brexit, confirmou há pouco o porta-voz do órgão Executivo da União Europeia Margaritis Schinas.
Na semana passada, o Parlamento britânico aprovou uma emenda ao projeto de lei que regula a separação que deu a May autorização tentar renegociar o tratado originalmente firmado com a UE para acertar com o bloco "arranjos alternativos" que possam substituir o backstop, como é conhecido o mecanismo emergencial para evitar que se tenham de adotar controles de bens e pessoas na fronteira irlandesa no caso de a relação futura entre as duas partes não estar pronta ao fim do período de transição.
A União Europeia, por sua vez, voltou a afirmar reiteradamente que o acordo de retirada não pode ser reaberto. Ontem, o negociador-chefe da Comissão Europeia para o Brexit, Michel Barnier, sugeriu que Bruxelas estaria pronta a discutir "soluções alternativas" para a fronteira irlandesa durante o período de transição, o que exigira a aprovação pelo Parlamento britânico exatamente do tratado que ele rejeitou por maioria esmagadora em janeiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia