Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Imprensa

- Publicada em 00h16min, 24/01/2019.

Jornalista afirma ter sofrido tortura psicológica na Nicarágua

Presa desde 21 de dezembro por criticar o ditador nicaraguense, Daniel Ortega, a jornalista Lucía Pineda Ubau, da emissora 100% Notícias, passou por sessões de tortura psicológica, nas quais foi interrogada mais de 30 vezes na tentativa de ser persuadida a gravar um vídeo pedindo desculpas ao líder do país. A revelação foi feita por seu irmão, Alejandro Ubau, que só pôde visitar a irmã na terça-feira, um mês após a prisão.
Presa desde 21 de dezembro por criticar o ditador nicaraguense, Daniel Ortega, a jornalista Lucía Pineda Ubau, da emissora 100% Notícias, passou por sessões de tortura psicológica, nas quais foi interrogada mais de 30 vezes na tentativa de ser persuadida a gravar um vídeo pedindo desculpas ao líder do país. A revelação foi feita por seu irmão, Alejandro Ubau, que só pôde visitar a irmã na terça-feira, um mês após a prisão.
Diretora de imprensa da emissora, Lucía foi levada pelas forças de repressão da ditadura junto com o diretor do canal, Miguel Mora. Ambos estão detidos, ainda sem julgamento, na penitenciária chamada de El Chipote, em celas comuns, com outros presos.
Ubau disse que a irmã foi pressionada a gravar a mensagem em que pedia perdão a Ortega e à polícia, e que ela "se negou rotundamente a fazê-lo". Por conta disso, passou uma semana em uma solitária e, agora, está em uma cela comum. O irmão acrescentou que ela pediu que se transmitisse "uma mensagem de resistência, fé e de oração por todos os presos políticos desta ditadura".
A Justiça nicaraguense, controlada por Ortega, acusa Lucía de "provocação e conspiração para cometer atos terroristas, além de incitar ao ódio por razões de discriminação política".
Comentários CORRIGIR TEXTO