Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Edição impressa de 07/01/2019. Alterada em 07/01 às 01h00min

Casa Branca admite utilizar aço em muro na fronteira

O chefe de gabinete interino da Casa Branca, Mick Mulvaney, reiterou ontem, em entrevista à rede NBC, que o presidente Donald Trump está disposto a ceder para avançar nas negociações e pôr um fim à paralisação parcial do governo, que entra na terceira semana. Segundo ele, Trump poderia aceitar uma barreira feita de aço ao invés de um muro de concreto na fronteira com o México.
A construção de um muro ao longo da fronteira no Sul do país está no centro de uma disputa sobre gastos que despertou a paralisação do governo dias antes do Natal. Trump alega que a barreira, uma de suas principais promessas de campanha em 2016, é necessária para garantir a segurança nacional, mas, nos últimos dias, tem indicado que ela não precisaria ser de concreto.
A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, é contra a construção, mas os democratas apoiam a liberação de mais dinheiro para aumentar a segurança na fronteira. No sábado, as conversas entre representantes da Casa Branca e do Congresso terminaram sem acordo para o fim da paralisação.
A Câmara deve aprovar, no início desta semana, orçamentos individuais para reabrir algumas agências do governo, começando pelo Departamento do Tesouro e a Receita Federal, para garantir a restituição do imposto de renda aos contribuintes. Esses pacotes devem seguir ainda para aprovação do Senado e precisam ser assinados pelo presidente, que tem indicado que manterá o "governo fechado" até que o Congresso aprove o orçamento para o muro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia