Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Edição impressa de 07/01/2019. Alterada em 07/01 às 01h00min

Parlamento não reconhecerá novo mandato de Maduro

O Parlamento venezuelano declarou, no sábado, que não reconhecerá o segundo mandato de Nicolás Maduro e afirmou que a presidência, a partir de quinta-feira, dia do início do novo governo, será considerada "usurpada". O novo presidente do Legislativo, Juan Guaidó, reafirmou a ilegitimidade de Maduro e disse também que a Assembleia Nacional é a "única representação legítima do povo". Diante da bancada da oposição e de representantes do corpo diplomático, Guaidó também se comprometeu a "gerar as condições para um governo de transição e convocar eleições livres".
A declaração aconteceu um dia depois de o Grupo de Lima ter pedido ao presidente para que transferisse o poder ao Parlamento até que se realizassem "eleições democráticas". O documento foi assinado na sexta-feira, por representantes de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia. O México foi o único dos 14 países presentes a não firmá-lo.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia