Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Edição impressa de 28/11/2018. Alterada em 28/11 às 01h00min

França detém funcionário do Senado por suspeita de espionagem

Um funcionário do Senado francês foi detido pelos serviços de inteligência sob suspeita de ser um espião do regime da Coreia do Norte. O nome do suspeito não foi divulgado oficialmente, mas jornais franceses o identificaram como Benoit Quennedey, que trabalha no Departamento de Arquitetura, Patrimônio e Jardins do Senado - órgão encarregado da gestão administrativa e financeira da casa.

Quennedey estudou na Escola Nacional de Administração, conhecida por formar a maior parte da elite política francesa, incluindo o atual presidente, Emmanuel Macron, e seu antecessor, François Hollande. Ele também é desde 2005 o presidente da Associação de Amizade Franco-Coreana. No cargo, viajou diversas vezes a Pyongyang e até escreveu um livro sobre o país, La Corée du Nord, cette inconnue (A Coreia do Norte, esta desconhecida).

Ele é suspeito de ter reunido e repassado para o regime de Kim Jong-un informações que poderiam ameaçar os interesses franceses. De acordo com a agência de notícias Associated Press, ele foi detido na noite de domingo e colocado sob prisão preventiva na sede da agência de inteligência da França, a DGSI, responsável pela investigação que começou em março a pedido da promotoria de Paris.

Os dois países não mantêm oficialmente relações diplomáticas, mas a França possui um escritório de cooperação na Coreia do Norte. Nenhum dos governos se pronunciou sobre o caso.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia