Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 24 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

frança

Alterada em 24/11 às 11h43min

Polícia francesa lança gás lacrimogêneo sobre marcha contra preço de combustível

Estadão Conteúdo
A polícia de Paris usou canhões d'água e bombas de gás lacrimogêneo para conter o avanço de milhares de manifestantes pelas ruas da capital da França, no entorno dos famosos Campos Elísios, que marcham em protesto e até bloqueiam algumas vias contra o aumento dos impostos sobre combustíveis.
A resposta do Ministério do Interior francês foi empregar milhares de agentes de segurança, com a promessa pelo titular da pasta, Christophe Castaner, de medidas duras contra multidões desordeiras. As tensões vêm se avolumando em torno do movimento, que atraiu mais de 250 mil pessoas há uma semana para manifestações em todo o país, da Provence à Normandia.
Ao longo da última semana de protestos, duas pessoas morreram e centenas ficaram feridas, em um grande desafio ao presidente francês, Emmanuel Macron.
As autoridades enfrentam dificuldades porque o movimento não tem liderança clara e atraiu um grupo diverso de pessoas com múltiplas demandas. Os manifestantes se autodenominaram de "coletes amarelos" em alusão aos coletes refletivos que motoristas têm de manter em seus veículos.
Boa parte da ira dos manifestantes está focada em Macron, um centrista pró-mercado acusado de estar indiferente às dificuldades de pessoas ordinárias. O presidente defende que os impostos sobre combustíveis são necessários para reduzir a dependência da França de combustíveis fósseis, mas prometeu apresentar novos planos na terça-feira para tornar a "transição energética" mais fácil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia