Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Israel

Edição impressa de 20/11/2018. Alterada em 20/11 às 01h00min

Premiê evita convocar eleições antecipadas após recuo de ministro

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, conseguiu manter sua maioria parlamentar e evitar a convocação antecipada de eleições legislativas no país, inicialmente marcadas para novembro de 2019. O feito se deu pela manutenção do apoio do ministro da Educação israelense, Naftali Bennett, líder do partido de extrema direita Casa Judaica.

Bennett cobiçava comandar o Ministério da Defesa, após a renúncia do então ministro Avigdor Lieberman, na quarta-feira passada. Contudo, foi rejeitado por Netanyahu, que assumiu interinamente a pasta. Especialistas previam que o grupo de Bennett deixaria o governo em retaliação, o que não ocorreu.

Em coletiva de imprensa realizada ontem, o ministro da Educação afirmou que o Casa Judaica retirou todas as suas exigências políticas e que permanecerá ao lado do premiê, que está em seu quarto mandato. Com a renúncia de Lieberman - chefe do partido Beitenu, que tem cinco cadeiras no Parlamento -, a maioria parlamentar de Netanyahu caiu para apenas um deputado - 61 de 120 -, o que colocou sob risco a coalizão governamental.

O então ministro da Defesa deixou o governo israelense em protesto ao cessar-fogo alcançado após uma onda de violência na Faixa de Gaza. Lieberman é a favor de aplicar medidas mais duras contra o grupo islâmico Hamas, que controla Gaza.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia