Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Imigração

Edição impressa de 31/10/2018. Alterada em 31/10 às 01h00min

Donald Trump planeja acabar com direito à cidadania por nascimento

Caravanas de imigrantes da América Central se dirigem aos EUA

Caravanas de imigrantes da América Central se dirigem aos EUA


GUILLERMO ARIAS/AFP/JC

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja assinar uma ordem executiva para retirar o direito à cidadania de filhos de estrangeiros e de imigrantes ilegais nascidos nos EUA. "Somos o único país no mundo onde uma pessoa chega e tem um bebê, e o bebê é essencialmente um cidadão dos Estados Unidos por 85 anos, com todos esses benefícios. É ridículo, é ridículo. E precisa acabar", disse Trump.

As declarações foram dadas pelo republicano em entrevista ao programa Axios na HBO, um documentário em quatro partes que estreia na emissora no próximo domingo. Seria o movimento mais dramático do presidente em sua campanha anti-imigração, agora tendo como alvo os chamados bebês-âncora.

Com a medida, ele também promete iniciar uma batalha judicial, porque não está claro se teria poderes para fazer isso por meio de uma ordem executiva. "Sempre me disseram que você precisaria de uma emenda constitucional. Adivinha? Não precisa", afirmou o presidente, antes de acrescentar que ele poderia fazer isso por uma ordem executiva.

Ao ser informado de que isso era discutível, Trump respondeu que seria possível pôr fim ao direito à cidadania dos filhos de não norte-americanos nascidos nos EUA por meio de um ato no Congresso. "Mas agora eles estão dizendo que eu posso fazer isso com uma ordem executiva."

O anúncio ocorre em meio à chegada de caravanas de imigrantes na fronteira dos EUA com o México, vindos de países da América Central. Para conter a entrada deles em solo norte-americano, Trump autorizou o envio de 5.200 soldados à fronteira.

No domingo, um grupo com mais de 300 salvadorenhos deixou a capital de El Salvador. Um segundo grupo se movimenta pela Guatemala e chegou a reunir mais de mil pessoas, antes de se fragmentar. Um grupo maior, estimado em 7 mil pessoas, deixou Honduras em 13 de outubro e está no Sul do México.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia