Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Tragédia

Edição impressa de 31/10/2018. Alterada em 31/10 às 01h00min

Indonésia fará inspeção de Boeings após avião cair com 189 pessoas

Depois do acidente de segunda-feira com o Boeing 737 Max da companhia Lion Air, que deixou 189 mortos, a Indonésia anunciou ontem que todas as aeronaves do modelo serão inspecionadas. O avião caiu 13 minutos depois de decolar do aeroporto internacional da capital, Jacarta, com destino a Pankal Pinang. A aeronave entrou em circulação em agosto deste ano e contava com 800 horas de voo. Antes da quebra, o piloto solicitou o regresso à pista, mas não enviou sinal de emergência antes de começar a descer a 482km/h a 915 metros de altura.

No voo anterior à falha, no domingo à noite, o avião apresentou problemas técnicos, incluindo uma "velocidade de voo não confiável", informou ontem uma autoridade do Comitê Nacional de Segurança de Transporte da Indonésia.

Além disso, as autoridades têm uma gravação da conversa entre o piloto do JT 610 e a torre de controle em Jacarta antes do acidente, bem como informações dos passageiros publicadas em mídias sociais. "A causa do acidente ainda está sendo investigada e todos nós estamos curiosos para saber o que pode ter causado a queda", disse o vice-chefe do comitê, Haryo Satmiko.

Também ontem, equipes de mergulhadores tentavam rastrear as caixas-pretas para descobrir por que um avião quase novo caiu no mar minutos após a decolagem.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia