Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

alemanha

Edição impressa de 31/10/2018. Alterada em 31/10 às 01h00min

Ex-enfermeiro alemão Niels Högel admite ter matado 100 pacientes

O ex-enfermeiro alemão Niels Högel, já condenado à prisão perpétua por dois assassinatos e três tentativas de homicídio, confessou ser culpado pela morte de quase 100 pacientes em uma audiência realizada ontem. O alemão é considerado o maior assassino em série da história criminal da Alemanha desde a Segunda Guerra Mundial.

O acusado de 41 anos respondeu com um "sim" à pergunta se ele se considera culpado pelas imputações feitas pela promotoria. O atual julgamento investiga as mortes de 36 vítimas nos hospitais de Oldeburg e de 64 no município vizinho de Delmenhorst, entre 2000 e 2005. Porém, o número de mortos pode ser superior a 200, o que é impossível de provar porque muitas vítimas foram cremadas.

O assassino só foi descoberto em 2005, quando foi surpreendido por uma colega de trabalho enquanto envenenava um paciente. Ele injetava drogas para causar parada cardíaca e, depois, tentar ressuscitar os pacientes, sem sucesso na maior parte das vezes.

Conforme a promotoria, a razão para os crimes está no desejo de brilhar na frente dos colegas, mostrando suas habilidades de reanimação, e "tédio". O exame psiquiátrico revelou distúrbios narcísicos e pânico da morte. Até agora, Högel nunca expressou verdadeiro remorso. E, de acordo com colegas da prisão, ele se gaba de ser o maior criminoso desde a última guerra.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia