Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
Dia do Profissional de Informática. Dia da Inovação.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 19/10 às 16h27min

EUA acusam Rússia, China e Irã de interferência na eleição americana de novembro

Estadão Conteúdo
Em um comunicado conjunto, o gabinete do diretor de Inteligência Nacional dos Estados Unidos, o Departamento de Segurança Interna (DHS, na sigla em inglês), o Departamento de Justiça (DoJ, na sigla em inglês) e o FBI disseram estar preocupados com "campanhas em andamento" pela Rússia, China, Irã e outros países para minar a confiança na democracia americana.
No documento, as agências de inteligência alegaram preocupação com atividades que "procuram influenciar as percepções e a tomada de decisão dos eleitores" nas eleições de meio de mandato deste ano e nas eleições gerais de 2020. De acordo com as agências, as "campanhas em andamento" podem assumir muitas formas. Os exemplos incluem tentativas de influenciar os eleitores por meio de redes sociais, patrocinando conteúdo em língua inglesa, como o canal russo RT, ou "disseminando desinformação por meio de porta-vozes simpatizantes em relação a candidatos políticos e disseminando propaganda estrangeira".
Autoridades de inteligência disseram, no ano passado, que a Rússia tentou interferir na eleição presidencial de 2016 por meios similares.
Após a divulgação do comunicado, o DoJ acusou uma mulher russa de interferir nas eleições americanas, inclusive no pleito de meio de mandato, que irá ocorrer em novembro, por meio das redes sociais. De acordo com o DoJ, Elena Alekseevna Khusyaynova trabalhou para uma organização cujos integrantes se dedicam a criar conflitos e divisão em interações nas redes sociais. Esse grupo já foi indiciado em fevereiro pelo conselheiro especial Robert Mueller, que investiga a interferência russa na eleição americana de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia