Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de outubro de 2018.
Dia do Médico.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Edição impressa de 18/10/2018. Alterada em 18/10 às 01h00min

Trump nega estar acobertando sauditas por sumiço de jornalista

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou ontem que não está acobertando a Arábia Saudita no caso do desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi. Autoridades turcas dizem que o repórter foi morto durante visita ao consulado saudita em Istambul.

Na terça-feira, o republicano havia criticado a imprensa pelo que chamou de "pressa" em acusar o regime saudita de assassinato. Antes, havia dito que "matadores de aluguel" poderiam ser responsáveis pela morte do jornalista.

Trump afirmou que os EUA requisitaram "áudios ou vídeos que autoridades turcas dizem ter" e que provam a tortura e o assassinato de Khashoggi, "se eles existirem". Em entrevista à Fox Business Network, o presidente falou que não pretende se afastar da Arábia Saudita, apesar do aumento da pressão internacional em torno do caso.

"Não quero fazer isso", afirmou, reiterando que não acredita que líderes sauditas estejam envolvidos no sumiço de Khashoggi. "Francamente, eles têm um enorme pedido (de armas) de US$ 110 bilhões. São 500 mil empregos. É o maior pedido na história de nosso país de um Exército estrangeiro, e vamos abandoná-lo?", indagou. "Precisamos da Arábia Saudita para a luta contra o terrorismo, contra tudo o que acontece no Irã e outros lugares."

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia