Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Rússia

17/10/2018 - 11h44min. Alterada em 17/10 às 12h20min

Bomba mata ao menos 17 pessoas em faculdade na Crimeia

Governo russo considera possibilidade de ataque terrorista

Governo russo considera possibilidade de ataque terrorista


KERCH.FM /AFP/JC
Estadão Conteúdo
Um dispositivo explosivo matou pelo menos 17 pessoas e feriu outras 50 em uma faculdade na cidade de Kerch, na Crimeia, nesta quarta-feira (17). Segundo a agência de notícias Tass, a maior parte das vítimas é estudantes.
Inicialmente o caso foi considerado um ato terrorista, mas após investigações autoridades consideraram tratar-se de um atentado em massa. O suspeito é Vladislav Roslyakov, de 18 anos, que entrou na escola com um rifle e teria atirado contra os colegas. Após os disparos, ele teria cometido suicídio.
O Comitê Nacional Antiterrorismo disse que a explosão, inicialmente atribuída a um vazamento de gás, foi causada por um dispositivo explosivo não identificado. O porta-voz do comitê, Andrei Przhezdomski, disse que soldados estão inspecionando o prédio em busca de outros explosivos.
O porta-voz do presidente russo, Dimitri Peskov,  relatou que Putin instruiu investigadores e agências de inteligência a conduzir uma investigação completa e ofereceu condolências às famílias das vítimas.
O chefe da Crimeia, Serguei Aksyonov, e a ministra da Saúde russa, Veronika Skvortsova, se dirigiram à área para coordenar a assistência aos feridos. A Rússia anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014, em um movimento que desencadeou sanções do Ocidente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia