Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Europa

Edição impressa de 11/09/2018. Alterada em 11/09 às 01h00min

Premiê sueco vai buscar centro-direita para governar

Após seu partido registrar a pior votação em um século nas eleições de domingo, o premiê da Suécia, Stefan Löfven, decretou ontem o fim da política de blocos no país e disse que irá buscar a centro-direita para formar governo. "Não há um lado com uma maioria. Então, é natural trabalhar através das divisões políticas para que seja possível governar", afirmou.

Em referência aos Democratas Suecos, que ganharam estimadas 13 novas cadeiras no Parlamento e se tornaram a terceira maior força parlamentar, Löfven afirmou que um partido "com raízes nazistas" não tem nada a oferecer ao país além de divisão e ódio.

A aliança de centro-direita, no entanto, pediu que o premiê renuncie. O grupo é composto pelos partidos Moderado, Cristão Democrata, Liberal e Centro. "Esse governo já teve sua chance. É hora de renunciar", afirmou o líder dos moderados, Ulf Kristersson.

Segundo as estimativas, o Partido Social-Democrata obteve 101 assentos; os Verdes, 15; e a Esquerda, 28. Já o Moderado obteve 70 vagas; o Centro, 31; o Cristão Democrata, 23; e o Liberal, 19. São necessários 175 assentos para obter a maioria. Cerca de 200 mil votos no exterior ainda não foram computados.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia