Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Nações Unidas

Edição impressa de 11/09/2018. Alterada em 11/09 às 01h00min

Bachelet toma posse como chefe dos Direitos Humanos da ONU

Em seu primeiro discurso como Alta Comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, a ex-presidente chilena Michelle Bachelet criticou ontem a política migratória do governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da União Europeia, e pediu aos países ocidentais que não construam muros contra estrangeiros.

Bachelet fez referência às separações de famílias de migrantes nos EUA, classificando-as de "inescrupulosas", e manifestou preocupação com o fato de mais de 500 crianças continuarem longe de seus pais. Ela também instou a União Europeia a conduzir uma operação de busca e resgate de migrantes no Mar Mediterrâneo. "Levantar muros (...), separar e deter famílias, e cortar os programas de integração, essas políticas não oferecem soluções a longo prazo para ninguém, apenas hostilidade, miséria, sofrimento e caos", afirmou.

Outro tema do discurso de Bachelet foi o tratamento recebido por minorias em Mianmar e na China. Ela pediu a criação de uma instância internacional para reunir provas sobre os crimes mais graves cometidos em Mianmar contra a minoria muçulmana rohingya para "acelerar" os julgamentos.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia