Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Edição impressa de 21/08/2018. Alterada em 21/08 às 01h00min

Plano econômico de Maduro entra em vigor

Bolívar soberano, como é está sendo chamado, tem cinco zeros a menos que as anteriores

Bolívar soberano, como é está sendo chamado, tem cinco zeros a menos que as anteriores


FEDERICO PARRA/AFP/JC
Agência O Globo
Novas cédulas de bolívar com menos cinco zeros entraram em circulação ontem na Venezuela, na primeira medida do plano de reformas econômicas do presidente Nicolás Maduro. Devido às incertezas, muitos estabelecimentos comerciais fecharam no fim de semana em Caracas e em outras cidades, enquanto os postos de gasolinas se encheram de filas diante de um anunciado aumento nos preços.
Maduro sustenta que a emissão das novas notas será o ponto de partida para uma "grande mudança". A maior será de 500 bolívares (cerca de US$ 7,00, ou R$ 27,00).
Na sexta-feira passada, o presidente anunciou a unificação das taxas de câmbio do país, que passa a ser atrelada a uma criptomoeda, por sua vez, ligada ao preço do petróleo. Com a medida, a moeda do país na prática foi desvalorizada em 96% em relação ao dólar. Também disse que o petro, a
criptomoeda criada por ele no início do ano, passa a definir, além do câmbio, também o salário-mínimo e as pensões. Um petro vai valer US$ 60,00 (R$ 235,00), ou 360 milhões de bolívares.
Outra medida anunciada foi o aumento do salário-mínimo em quase 3.500% a partir de 1 de setembro. Maduro informou que o governo cobrirá por um prazo de 90 dias o aumento salarial que pequenas e médias empresas devem fazer.
Henkel García, diretor da consultoria Econométrica, avaliou que o reajuste dos salários implicará um aumento de moeda em circulação, raiz da hiperinflação que, neste ano, será de 1.000.000%. Há dúvidas também sobre como exatamente o petro vai funcionar. O aumento do salário-mínimo, por sua vez, deve aumentar o desemprego, segundo economistas.
A reconversão colocada em prática ontem é a segunda em uma década, depois que o falecido presidente Hugo Chávez eliminou em 2008 três zeros e surgiu o "bolívar forte". Agora, surge o "bolívar soberano". Uma coalizão de líderes da oposição e de sindicatos da Venezuela convocou uma greve de 24 horas para hoje, em protesto contra o plano econômico.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia