Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

06/08/2018 - 17h09min. Alterada em 06/08 às 17h09min

Juan Manuel Santos dispensa com sarcasmo acusações de Maduro sobre atentado

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, afirmou nesta segunda-feira (6) em sua conta no Twitter que estava ocupado no último sábado com "coisas mais importantes" do que atentar contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que o acusa de envolvimento no que Caracas tem chamado de tentativa de assassinato contra o líder chavista.
"Ao presidente Nicolás Maduro: não se preocupe. No sábado, estava em coisas mais importantes, batizando minha neta Celeste", escreveu o colombiano.
Há dois dias, drones carregados com explosivos atacaram as redondezas do local em que Maduro discursava. O evento era um ato oficial com as forças armadas e ocorria no centro da capital venezuelana. Duas pessoas foram presas e sete militares ficaram feridos.
Um grupo até então desconhecido, autodenominado "Soldados de Flanela", publicou no Twitter uma mensagem assumindo a responsabilidade pelo suposto ataque. O plano, segundo a organização, era descarregar explosivos C4 contra o palco em que estava o presidente venezuelano, mas, disseram, os drones foram abatidos por soldados.
Na mesma plataforma virtual, o perfil oficial de Maduro replicou diversas mensagens apoiando a tese de participação de Santos no ato, inclusive algumas do presidente da Bolívia, Evo Morales. No dia do ocorrido, já havia verbalizado a acusação contra a Colômbia e contra a "ultradireita", que é como se refere à oposição nativa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia