Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Zimbábue

Edição impressa de 01/08/2018. Alterada em 01/08 às 01h00min

Demora na liberação de resultado de eleições irrita a oposição no Zimbábue

A oposição acusou ontem a comissão eleitoral de deliberadamente atrasar os resultados das eleições ocorridas segunda-feira no Zimbábue para favorecer o partido governista. Trata-se do primeiro pleito no país em quase 40 anos sem o nome do ex-ditador Robert Mugabe, de 94 anos, nas urnas. Ele deixou o poder em novembro passado após pressão dos militares, dando fim ao regime que comandava o país desde 1980.
A presidente da Comissão Eleitoral, Priscilla Chigumba, afirmou que pode demorar até sábado para que os dados sejam divulgados. Apenas alguns resultados da disputa parlamentar foram anunciados.
Segundo o MDC, principal partido da oposição, uma em cada cinco seções eleitorais - cerca de 2 mil no total - não divulgou seus resultados na entrada, como a lei manda. Por isso, o MDC e o Zesn, principal órgão de monitoramento eleitoral, estão acusando a comissão de manipular os resultados em favor do presidente Emmerson Mnangagwa e do partido governista, Zanu-PF.
Os eleitores votaram ainda para 210 vagas no Parlamento e mais de 9 mil representantes locais. Autoridades disseram que o comparecimento foi de 75%, maior que nas eleições anteriores, em 2013. Um segundo turno está previsto para 8 de setembro caso nenhum candidato obtenha a maioria dos votos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia