Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 31/07 às 14h22min

Estados Unidos acusam Ortega e primeira-dama pela violência na Nicarágua

Folhapress
A violência que atinge a Nicarágua nos últimos meses e que já deixou 350 mortos é responsabilidade do presidente Daniel Ortega e de sua mulher e vice-presidente, Rosario Murillo, afirmou a Casa Branca em um comunicado nesta segunda (30). "Ortega e Murillo são responsáveis em última instância pelos grupos paramilitares favoráveis ao governo e que brutalizaram seu próprio povo", afirma a nota.
Ortega reagiu acusando Washington de financiar as manifestações opositoras, mas admitiu que seu governo tem ligação com os paramilitares que perseguem os manifestantes. Em sua nota, a Casa Branca cita as medidas adotadas a respeito da repressão na Nicarágua, em especial a sanção a três funcionários nicaraguenses, passo que considera "o início e não o fim de potenciais sanções".
Além disso, Washington revogou ou restringiu a concessão de vistos a funcionários nicaraguenses que tenham qualquer relação com a repressão aos protestos ou atos de violência. Segundo o documento, a Casa Branca pediu a devolução de automóveis que foram doados à Polícia Nacional da Nicarágua e que teriam sido utilizados na repressão.
Nas semana passada, a Câmara de Representantes dos Estados Unidos havia defendido mais sanções contra o governo Ortega.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia