Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Edição impressa de 24/07/2018. Alterada em 24/07 às 01h00min

Trump afirma que Irã vai enfrentar 'consequências' caso ameace os EUA

O presidente norte-americano, Donald Trump, aumentou o tom de suas críticas ao Irã e afirmou, na noite de domingo, que o país deve estar pronto para arcar com as consequências caso ameace os Estados Unidos novamente. "Nunca mais voltem a ameaçar os EUA, ou sofrerão consequências que poucos sofreram ao longo da história", escreveu, em mensagem em caixa alta, nas redes sociais.
A afirmação foi uma resposta à declaração do presidente iraniano, Hassan Rohani, que, no mesmo dia, disse que Washington não deveria "brincar com fogo". "A América deveria saber que a paz com o Irã é a mãe de todas as pazes e que a guerra com o Irã é a mãe de todas as guerras", afirmou Rohani a uma plateia de diplomatas iranianos. Além de Trump, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também criticou as afirmações de Rohani e chamou o governo iraniano de "máfia".
O Ministério de Relações Exteriores do Irã respondeu afirmando que a fala de Pompeo é uma tentativa de interferir em questões internas do país e disse que ela só serve para unir o povo iraniano. Já o general Gholam Hossein Gheibparvar, comandante de um dos braços da Guarda Revolucionária do Irã, afirmou que os EUA "não podem fazer droga nenhuma contra o Irã" e descartou a possibilidade de uma ação militar de Washington contra o país.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia