Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Japão

Edição impressa de 24/07/2018. Alterada em 24/07 às 01h00min

Onda de calor no Japão deixa quase 80 mortos

Cidade de Kumagaya registrou a marca histórica de 41,1 graus ontem

Cidade de Kumagaya registrou a marca histórica de 41,1 graus ontem


/JIJI PRESS/AFP/JC
A onda de calor que atinge o Japão há duas semanas já deixou 77 mortos, de acordo com a agência Kyodo News. Pelo menos 30 mil pessoas procuraram atendimento em hospitais devido às altas temperaturas.
Ontem, dia em que foram confirmadas nove mortes, os termômetros na cidade de Kumagaya registraram 41,1 graus, um recorde na história do país, segundo a Agência Meteorológica do Japão. O recorde anterior, de 41 graus, havia sido registrado na cidade de Ekawasaki, em agosto de 2013.
Em Tóquio, a temperatura chegou a 40,8 graus ontem, a mais alta da história na capital japonesa. Os bombeiros afirmaram que, devido ao calor, receberam, no domingo, 3.125 chamados de emergência para atendimento, um recorde desde o início do serviço, em 1936.
Com a temperatura se mantendo acima de 35 graus em quase todo o país, o governo emitiu um alerta para a população. A recomendação é que as pessoas bebam bastante água para se manterem hidratadas, evitem a luz do sol e usem ar-condicionado. A maior parte das vítimas é de idosos com histórico de problemas respiratórios ou cardíacos, muitos deles sem ar-condicionado em casa.
A onda de calor começou logo após uma série de chuvas que deixaram mais de 200 mortos em todo o país. Além do Japão, o fenômeno climático atingiu também a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, onde provocou ao menos dez mortes. A previsão é que as altas temperaturas se mantenham pelas próximas duas semanas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia