Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

reino unido

Alterada em 06/07 às 09h00min

Theresa May enfrenta oposição, enquanto tenta avançar com plano suave do Brexit

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, enfrenta nesta sexta-feira negociações decisivas com ministros eurocéticos de seu governo para tentar manter seu plano de estratégia de um "Brexit suave". A intenção da premiê é manter o Reino Unido alinhado com o mercado único da União Europeia (UE).
No entanto, posições contrárias têm pressionado a premiê. Ontem, o ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, convocou uma reunião de ministros pró-Brexit para planejar um contra-ataque, já que a avaliação é a de que o plano de Theresa May "trai" o espírito do voto do plebiscito de 2016.
Faltando apenas nove meses para a saída do Reino Unido da UE, May disse que o governo tem "uma grande oportunidade e um dever" de concordar com um plano. Mas ministros pró-Brexit, incluindo Boris Johnson, têm dúvidas sobre a sua proposta, que deixaria o Reino Unido muito perto das regras da UE de comércio.
Ministros apoiadores do Brexit acreditam que isso limitaria a capacidade britânica de realizar novos acordos comerciais com os Estados Unidos e outros países ao redor do mundo. Já o outro lado, que inclui o chefe do Tesouro, Philip Hammond, acha que é essencial manter laços econômicos estreitos com o bloco.
Essa visão foi ecoada por grandes fabricantes, incluindo Airbus e Jaguar Land Rover, que já avisaram que podem abandonar o Reino Unido se ão for feito um acordo de livre comércio. Apenas a Airbus emprega sozinha cerca de 14 mil trabalhadores no Reino Unido.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia