Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

União Europeia

Notícia da edição impressa de 06/07/2018. Alterada em 06/07 às 01h00min

Viajantes precisarão de autorização prévia para ingressar na Europa

O Parlamento Europeu aprovou nesta quinta-feira uma mudança nas regras para turistas que vai afetar brasileiros e viajantes de outros 61 países que são isentos de vistos para o continente. Chamado de Etias (Sistema Europeu de Informação e Autorização de Viagem, na sigla em inglês), o mecanismo deve entrar em vigor em 2021 e ainda precisa ser adotado oficialmente pelo Conselho de Ministros da União Europeia (UE).
Quando começar a funcionar, os turistas vão precisar preencher um formulário na internet e pagar uma taxa de processamento de € 7,00 (R$ 31,90). Menores de 18 anos e maiores de 70 estão isentos da cobrança. Em caso de aprovação, um documento será enviado por e-mail. Além de nome, data de nascimento e nacionalidade, o candidato a turista na UE também terá de informar às autoridades sobre seu histórico criminal. Condenações por terrorismo, exploração sexual de crianças, tráfico humano ou de drogas, além de estupro e assassinato, terão de ser comunicadas e podem representar a reprovação na autorização de visita ao continente. Também será necessário informar sobre o histórico de viagens e a permanência em países e áreas de conflito.
Segundo o Parlamento Europeu, a análise e o processamento das respostas serão automatizados, e os viajantes devem demorar pouco tempo até terem seus pedidos aprovados, mas não há um prazo definido até o momento. Para aqueles cujas respostas apontarem algum indício de risco, haverá, então, uma análise posterior, feita por um agente. Poderão ser pedidos esclarecimentos adicionais e até uma entrevista.
O sistema deve ainda cruzar as informações fornecidas pelos viajantes com bases de dados da Interpol e outras. Além de verificar ameaças à segurança da UE, o Etias também pretende identificar pessoas com potencial de migração irregular para o continente.
Estima-se que 39 milhões de pessoas viajarão para o bloco usando o sistema em 2021. Brasileiros que possuam passaportes de países europeus não vão precisar da autorização prévia de viagem.
Assim como é hoje, o viajante que for aprovado poderá permanecer até 90 dias seguidos na região para turismo ou negócios - para morar, estudar ou trabalhar, continuará sendo necessário pedir um visto. As novas regras são válidas para o chamado Espaço Schengen, a área de livre circulação de pessoas dentro do continente europeu onde praticamente não há controles nas fronteiras. Mesmo quem irá fazer apenas escala em um desses locais precisará do documento. Turistas que tenham como destino a Irlanda ou o Reino Unido não vão precisar do documento, já que os dois países não fazem parte do Espaço Schengen.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia