Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de julho de 2018.
Dia do Operador de Telemarketing. Feriado nos EUA - Dia da Independência.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

América Latina

Notícia da edição impressa de 04/07/2018. Alterada em 04/07 às 01h00min

Após 45 anos, Chile condena nove militares pela morte de Víctor Jara

A Justiça chilena condenou ontem nove militares da reserva pelo assassinato de Víctor Jara, em 1973. O cantor e ativista foi detido, torturado e assassinado com 44 tiros em um complexo esportivo em Santiago dias após o golpe militar que instalou no poder a ditadura do general Augusto Pinochet, em 11 de setembro daquele ano.

Dos nove condenados, oito foram sentenciados a 15 anos e um dia de prisão pelo assassinato de Jara e do ex-diretor prisional Littre Quiroga Carvajal. A pena do outro militar foi de cinco anos, por no acobertamento dos crimes.

Jara, na época com 40 anos, era um conhecido cantor, diretor teatral e professor universitário que simpatizava com o governo socialista de Salvador Allende, que foi deposto no golpe de 1973. Seu trabalho e a natureza da sua morte inspiraram tributos de artistas como Bruce Springsteen, The Clash e U2.

O cantor foi preso com alunos, colegas acadêmicos e diversos outros simpatizantes da esquerda em um complexo esportivo, que hoje leva o seu nome. Segundo testemunhas que também foram detidas na ocasião, as mãos de Jara foram esmagadas com o cano de uma arma e ele foi duramente espancado durante seu encarceramento. Durante a ditadura de Pinochet, que durou até 1990, cerca de 3.200 pessoas foram mortas, e 28 mil, torturadas pelo Estado chileno.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia