Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

América Central

Alterada em 20/06 às 08h37min

Ex-presidente do Panamá cumprirá pena em uma penitenciária

Agência Brasil
Por unanimidade, o ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli (2009-2014), de 66 anos, será mantido preso na penitenciária panamenha El Renascer, nos arredores da capital Cidade do Panamá. A decisão é dos nove magistrados da Suprema Corte do país.
Condenado a 21 anos de prisão, Martinelli foi considerado culpado por coordenar um esquema de escutas telefônicas contra mais de 100 pessoas. Ele se disse perseguido politicamente. Martinelli já havia sido extraditado dos Estados Unidos e agora os advogados queriam que ele fosse beneficiado com a medida de "prisão domiciliar". O julgamento ocorreu sem a presença do ex-presidente.
Para os magistrados, a defesa de Martinelli não conseguiu demonstrar "a existência de qualquer elemento novo que permitisse sustentar a mudança da medida de prisão provisória". A decisão do plenário refutou os dois argumentos apresentados pela defesa: o estado de saúde de Martinelli e a privação de liberdade durante um ano nos Estados Unidos em razão do pedido panamenho de extradição, que os advogados interpretaram que devia se considerado como "abono" à prisão preventiva ditada pela Corte.
Quanto à saúde do ex-presidente, os juízes indicaram que Martinelli sofre de doenças crônicas que podem ser tratadas com medicação. O promotor Carlos Herrera Morán disse que a decisão de manter o ex-presidente preso foi "justa, pois este o senhor apresenta um risco de fuga".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia