Porto Alegre, sábado, 27 de novembro de 2021.
Dia do Técnico de Segurança do Trabalho. Dia Internacional de Combate ao Câncer.
Porto Alegre,
sábado, 27 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Educação

- Publicada em 27/11/2021 às 18h23min.

Pesquisa mostra maior interesse de estudantes em cursar ensino superior em 2022

Na avaliação dos alunos, apenas 45% da carga horária dos cursos deveriam ser dedicadas às aulas presenciais tradicionais

Na avaliação dos alunos, apenas 45% da carga horária dos cursos deveriam ser dedicadas às aulas presenciais tradicionais


Damien MEYER/AFP/JC
O interesse das pessoas em investir em graduação está retornando, indica o levantamento encomendado por instituições privadas do setor de educação superior. De acordo com a pesquisa, feita pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) em parceria com a Educa Insights, 63% dos entrevistados declararam planejar o início da faculdade no primeiro semestre de 2022. Em novembro de 2020, apenas 38% tinham intenção de se matricular no semestre seguinte.
O interesse das pessoas em investir em graduação está retornando, indica o levantamento encomendado por instituições privadas do setor de educação superior. De acordo com a pesquisa, feita pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) em parceria com a Educa Insights, 63% dos entrevistados declararam planejar o início da faculdade no primeiro semestre de 2022. Em novembro de 2020, apenas 38% tinham intenção de se matricular no semestre seguinte.
A 5ª edição do levantamento “Observatório da Educação Superior: Perspectivas para 2022” identificou também aumento do interesse dos universitários por um modelo híbrido, com aulas presenciais e à distância.
Segundo a pesquisa, na avaliação dos alunos, apenas 45% da carga horária dos cursos deveriam ser dedicadas às aulas presenciais tradicionais. O restante das atividades deveria ser ministrado no formato híbrido, o que inclui aulas remotas (16%); conteúdos digitais (16%); ou mesmo por trabalhos práticos em comunidades ou empresas (23%).
Os números refletem que o estudante quer um modelo que combine duas ou mais formas de ensinar e aprender, aponta a Abmes. Dessa forma, o valor cobrado nas mensalidades das instituições privadas pode sofrer uma queda entre 30% e 40%, uma vez que a maior parte delas já desembolsou os investimentos tecnológicos necessários quando tiveram de se adaptar às necessidades de atividades remotas durante a pandemia.
Segundo o presidente da Abmes, Celso Niskier, "não há mais investimento tecnológico a ser feito, para se adaptar ao novo modelo". Niskier explica que os investimentos que já foram feitos resultarão em preços mais acessíveis, de forma a amenizar a principal dificuldade do jovem que deseja cursar o ensino superior: a questão financeira.
"O investimento inicial (em tecnologias que possibilitam o ensino remoto) é amortizado ao longo do tempo. Portanto, não vai aumentar o custo e não impactará no preço. Tendo a possibilidade de atingir mais pessoas, o custo é diluído e a média cai para o estudante", argumenta ele ao lembrar que as aulas presenciais "não desaparecem" no modelo híbrido.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário