Porto Alegre, sábado, 20 de novembro de 2021.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.
Porto Alegre,
sábado, 20 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Manifestação

- Publicada em 20/11/2021 às 19h28min.

Manifestantes fazem caminhada em Porto Alegre no Dia da Consciência Negra

Ativistas protestaram contra o racismo, reivindicaram políticas públicas e homenagearam Oliveira Silveira

Ativistas protestaram contra o racismo, reivindicaram políticas públicas e homenagearam Oliveira Silveira


LEONARDO MACHADO/ESPECIAL/JC
Leonardo Machado
Centenas de manifestantes se reuniram neste sábado no Centro de Porto Alegre para celebrar o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra. A mobilização ocorreu à tarde, com concentração no Largo Glênio Peres e em frente ao Paço Municipal.
Centenas de manifestantes se reuniram neste sábado no Centro de Porto Alegre para celebrar o 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra. A mobilização ocorreu à tarde, com concentração no Largo Glênio Peres e em frente ao Paço Municipal.
Gradativamente, o público foi crescendo, até que, às 15h30min, teve início a caminhada, saindo da Praça Montevidéu, sede da prefeitura, pela avenida Borges de Medeiros. O ponto final foi o Largo Zumbi dos Palmares, no bairro Cidade Baixa.
A marcha dos ativistas foi marcada por protestos contra o racismo e a fome no País. Faixas e cartazes também pediam saúde, moradia e emprego. Negros eram maioria, mas o ato do Dia da Consciência Negra teve, ainda, a adesão de manifestantes brancos e movimentos indígenas.
Um dos destaques foi a lembrança do poeta Oliveira Silveira (1941-2009), uma das principais lideranças do movimento negro no Rio Grande do Sul e no Brasil. Ele foi um dos fundadores do Grupo Palmares, de Porto Alegre, que idealizou há 50 anos a celebração do 20 Novembro como Dia da Consciência Negra, em homenagem a Zumbi dos Palmares, que morreu nesta data em 1695.
A ideia dos jovens ativistas negros de Porto Alegre, em 1971, era destacar a luta do povo negro pela liberdade – até então, a data considerada como marco era o 13 de maio, por causa da Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel em 1888, abolindo a escravidão no Brasil. Gradativamente, a iniciativa dos jovens gaúchos ganhou força e atualmente o 20 de Novembro é celebrado em todo o País.
Na manifestação deste sábado, em Porto Alegre, versos de poemas de Oliveira Silveira foram recitados no carro de som da marcha. O rosto do poeta gaúcho também foi reproduzido em estandartes e bandeirões que o homenageavam.
Intitulada Marcha Indepedente Zumbi Dandara, a caminhada teve um público predominantemente jovem e negro, embora idosos e até crianças também tenham participado. Nas faixas e bandeiras, eram estampadas frases antirracistas, como “Vidas Negras Importam”, “Injúria racial é crime” e “Faremos Palmares de novo”.
Jovem, negro, acadêmico de Ciências Econômicas da Ufrgs e integrante do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Bryan Rodrigues destacou a presença secular de um movimento negro atuante contra desigualdades.
O estudante também criticou ações do governo Jair Bolsonaro, ponto, aliás, que esteve presente na marcha. Além de lideranças estudantis, críticas contra falta de políticas públicas para o povo negro também estiveram em falas no carro de som.
O ato teve ainda bandeiras de centrais como a CUT, sindicatos – caso da Assufrgs, dos técnicos-administrativos da Ufrgs – e de partidos políticos de esquerda, como PT, PSOL e PCO. O ex-árbitro Márcio Chagas, a deputada federal Fernanda Melchionna e o vereador Matheus Gomes, todos do PSOL, estiveram no ato, assim como o vereador Leonel Radde (PT).
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário