Porto Alegre, quinta-feira, 05 de agosto de 2021.
Dia Nacional da Saúde/ Farmácia .
Porto Alegre,
quinta-feira, 05 de agosto de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 11h29min, 05/08/2021.

Fiocruz alerta para crescimento de casos de síndrome respiratória em Porto Alegre

Análise aponta forte aumento de casos nas últimas seis semanas na capital gaúcha

Análise aponta forte aumento de casos nas últimas seis semanas na capital gaúcha


MARIANA ALVES/JC
Ainda que os indicadores apontem para uma perda de força da pandemia do novo coronavírus em Porto Alegre, a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) alerta para uma tendência de crescimento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na capital gaúcha.
Ainda que os indicadores apontem para uma perda de força da pandemia do novo coronavírus em Porto Alegre, a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) alerta para uma tendência de crescimento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na capital gaúcha.
O alerta consta no último Boletim InfoGripe, divulgado nesta quinta-feira (5). “Tanto Porto Alegre quanto Rio Branco apresentam sinal forte de crescimento da tendência de longo prazo e sinal moderado na tendência de curto prazo”, afirma o documento.
As tendências de curto e longo prazo são estimativas obtidas através da análise do perfil de variação no número de novos casos semanais durante um período de três semanas para o curto prazo e de seis semanas para o longo prazo. Se houve, em média, crescimento no número de novos casos nas últimas três semanas, o indicador de curto prazo apresentará tendência de crescimento. Da mesma forma, se foi observado, em média, crescimento durante as últimas seis semanas, o indicador de longo prazo apresentará tendência de crescimento.
Ainda de acordo com a análise, a Capital apresenta nível “extremamente alto” de transmissão comunitária de SRAGs. “Tal situação manterá o número de hospitalizações e óbitos em patamares altos, com tendência de agravamento nas próximas semanas caso não haja nova mobilização por parte das autoridades e população locais”, aponta o estudo.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário