Porto Alegre, quarta-feira, 16 de junho de 2021.
Porto Alegre,
quarta-feira, 16 de junho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saneamento

- Publicada em 13h55min, 16/06/2021.

RS é o estado do Sul que mais desperdiça água antes de chegar nas torneiras

Análise aponta que 42% da água potável gaúcha não chega às residências

Análise aponta que 42% da água potável gaúcha não chega às residências


CLAUDIO FACHEL/ARQUIVO/JC
O Rio Grande do Sul é o estado da Região Sul do Brasil que mais desperdiça água potável no processo de distribuição. A constatação consta no estudo “Perdas de água potável: desafios para a disponibilidade hídrica e ao avanço da eficiência do saneamento básico”, realizado pelo Instituto Trata Brasil.
O Rio Grande do Sul é o estado da Região Sul do Brasil que mais desperdiça água potável no processo de distribuição. A constatação consta no estudo “Perdas de água potável: desafios para a disponibilidade hídrica e ao avanço da eficiência do saneamento básico”, realizado pelo Instituto Trata Brasil.
Conforme o trabalho, 42% da água potável no Estado não chega de forma oficial às residências gaúchas por vazamentos, fraudes e roubos e erros de medição. O índice representa que o Rio Grande do Sul perde um volume equivalente a 524 de piscinas olímpicas diárias, sendo o maior volume entre as os estados do Sul.
A análise foi realizada a partir de dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS 2019) e abrange uma análise do Brasil, das 27 Unidades da Federação e as cinco regiões, bem como as 100 maiores cidades.
Enquanto o Rio Grande do Sul desperdiça 42% da água potável “produzida”, as perdas em Santa Catarina e no Paraná são de 35%.
O quadro gaúcho em comparação com o dos vizinhos Santa Catarina e Paraná é ainda pior se analisando a evolução anual do percentual de perdas desde 2015. Em SC, o percentual caiu 1% em quatro anos (de 2015 a 2019), passando de 36% para 35%. No PR, o índice cresceu 1%, indo de 34% para 35%. Já no RS, houve um salto de dez pontos percentuais, com a taxa de perdas da água distribuída passando de 32% em 2015 para 42% em 2019.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/06/16/206x137/1_perdas_de_agua-9340231.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'60ca2b3e6a44a', 'cd_midia':9340231, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/06/16/perdas_de_agua-9340231.jpg', 'ds_midia': 'Perdas de água potável nos três estados do Sul do Brasil', 'ds_midia_credi': 'Arte/JC', 'ds_midia_titlo': 'Perdas de água potável nos três estados do Sul do Brasil', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '645', 'align': 'Left'}
A região Sul, dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, apresenta 37,5% de perda de água potável produzida nos sistemas de distribuição - terceiro maior índice entre as regiões brasileiras, ficando atrás apenas do Norte (55,2%) e do Nordeste (45,7%).
No Brasil, 39,2% de toda água potável não chega de forma oficial às residências. Isso representa que o País perde um volume equivalente a 7,5 mil piscinas olímpicas de água tratada por dia.
O estudo aponta ainda que uma redução do percentual atual para 25% permitiria salvar um volume suficiente para levar água aos quase 35 milhões de brasileiros que não possuem acesso. O volume também poderia também atender, por quase três anos, aos mais de 13 milhões de brasileiros que habitam em favelas.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário