Porto Alegre, sábado, 06 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 06 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 17h01min, 06/03/2021.

Agências do INSS não terão atendimento presencial a partir de segunda-feira no RS

Assim como ocorreu de março a setembro do ano passado, servidores ficarão no teletrabalho

Assim como ocorreu de março a setembro do ano passado, servidores ficarão no teletrabalho


LUIZA PRADO/JC
Os servidores do INSS do Rio Grande do Sul não farão atendimento presencial nas agências da Previdência Social a partir desta segunda-feira (8), ficando apenas no trabalho remoto. A decisão foi tomada em assembleia virtual realizada na manhã deste sábado (6) e vai durar enquanto o Rio Grande do Sul estiver em bandeira preta.
Os servidores do INSS do Rio Grande do Sul não farão atendimento presencial nas agências da Previdência Social a partir desta segunda-feira (8), ficando apenas no trabalho remoto. A decisão foi tomada em assembleia virtual realizada na manhã deste sábado (6) e vai durar enquanto o Rio Grande do Sul estiver em bandeira preta.
Será mantido o teletrabalho, a exemplo do que ocorreu durante o ano passado de março até setembro, quando as agências ficaram fechadas. “O que motivou a decisão da assembleia foi o negacionismo da gestão do Instituto, que não se comprometeu com a segurança dos usuários do INSS e nem dos trabalhadores”, relatou o diretor do SindisprevRS, Thiago Manfroi ao explicar que o sindicato não foi autorizado pela gestão da autarquia a fiscalizar os locais de trabalho para averiguar se os protocolos estariam sendo seguidos.
Manfroi afirma que nas agências de grande circulação há relatos de servidores que não utilizam máscaras e também de usuários que não seguem as regras de distanciamento social.
A categoria retomou a “Greve Sanitária”, que consiste na realização das tarefas do serviço público, como a concessão de benefícios, mas sem prestar atendimento presencial. “Continuaremos trabalhando. No ano passado conseguimos baixar significativamente o número de benefícios contingenciados, não iremos parar. Não tomaremos nenhuma atitude que prejudique os segurados e a população como um todo, mas estamos dando um recado claro ao INSS, pois lutamos pelo direito à nossas vidas”, concluiu Manfroi.
Comentários CORRIGIR TEXTO