Porto Alegre, terça-feira, 23 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 23 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

protesto

- Publicada em 10h43min, 23/02/2021. Atualizada em 15h10min, 23/02/2021.

Motoristas de aplicativo do RS protestam contra a baixa remuneração

Diversas carreatas partem de Santa Maria (foto) e pontos da Região Metropolitana de Porto Alegre

Diversas carreatas partem de Santa Maria (foto) e pontos da Região Metropolitana de Porto Alegre


ALMA-RS/DIVULGAÇÃO/JC
Fernanda Soprana
Atualizada às 11h40min
Atualizada às 11h40min
Os motoristas de aplicativos da grande Porto Alegre decidiram paralisar as operações de viagens e se organizarem em carreatas nesta terça-feira (23), em protesto à diminuição das tarifas por quilômetro rodado. O grupo também realiza uma ação de doação de sangue no Hemocentro, transportando gratuitamente aqueles que desejem participar.
A manifestação abrange todas as plataformas de transportes. De acordo com o diretor da Associação Liga dos Motoristas de Aplicativos do Rio Grande do Sul (ALMA-RS), Robson Silveira, a principal reivindicação está relacionada ao valor das tarifas.
"Há três anos, quando tudo começou com a Uber em Porto Alegre, a remuneração mínima era de R$ 1,25 por quilômetro rodado. Hoje, esse valor é de R$ 0,90 na Região Metropolitana e R$ 0,95 na capital", relata.
O diretor ainda afirma que, com o aumento do custo, os combustíveis tomam 30% da remuneração dos motoristas. Esse é o principal insumo nos gastos dos profissionais da área.
"Antes, a plataforma levava um valor fixo de 25% das corridas, e 75% era nosso. Essa taxa hoje é variável, entre 15% e 40%. Então se 40% de uma viagem for para a plataforma, mais os 30% do combustível, resta 30% de renda para os motoristas", afirma Silveira.
Os motoristas ainda pedem o fim dos produtos Uber Promo e 99Poupa. Silveira relata que as modalidades pagam apenas R$ 0,40 e R$ 0,60 por quilômetro rodado, respectivamente, aos trabalhadores.
"Não cobre o custo. As plataformas colocaram isso para os momentos de baixa demanda, mas elas funcionam 24h. Os aplicativos não especificam para os motoristas, só aparece um valor reduzido", explica o diretor da associação.
Segundo a ALMA-RS, o protesto desta terça também abrange Florianópolis e o Rio de Janeiro. No Estado, os manifestantes se concentram em carreatas que partem de diferentes pontos da Região Metropolitana e de Santa Maria. A associação afirma que em torno de 200 carros participam da manifestação, no total.
As carreatas começaram em torno das 6h30min desta manhã em Santa Maria, Viamão, Canoas, Novo Hamburgo, Guaíba e Eldorado do Sul, além de cada respectiva zona de Porto Alegre. A intenção original era que todas as diferentes concentrações se reunissem no estacionamento do estádio Beira-Rio e seguissem juntas em direção às sedes dos aplicativos Uber, 99POP e Cabify. Devido à classificação de bandeira preta na capital, com a alta de casos de Covid-19, o estacionamento não foi liberado para concentração.
Em torno das 11h30min, os carros passaram pela sede da Uber e se encaminharam ao Ministério Público (MP/RS). A intenção é que o MP receba as reivindicações do grupo e possa auxiliar nas tratativas com as plataformas.
Já a ação no Hemocentro, no Partenon, se estende até às 16h. Além de doarem sangue, os motoristas estão oferecendo transporte gratuita de ida e volta para quem quiser participar. A solicitação do transporte pode ser feita pelo contato da ALMA-RS no WhatsApp, de número (51) 98012-3999.
Comentários CORRIGIR TEXTO