Porto Alegre, domingo, 17 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 17 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pesquisa

- Publicada em 10h01min, 17/01/2021. Atualizada em 16h32min, 17/01/2021.

Quatro em cada dez brasileiros acham que vida voltará ao normal em 2021

Além disso, somente um em cada quatro brasileiros acredita que, em 2021, a economia do País se recuperará completamente

Além disso, somente um em cada quatro brasileiros acredita que, em 2021, a economia do País se recuperará completamente


LUIZA PRADO/JC
Os brasileiros não estão otimistas de que poderão voltar às suas rotinas pré-pandemia neste ano. A pesquisa Global Advisor 2021 Predictions, realizada pela Ipsos, empresa de pesquisa de mercado independente, desde 2012 para analisar as expectativas de cidadãos do mundo sobre o ano que se inicia, apontou que somente 41% dos respondentes do Brasil acreditam que a vida no país voltará ao normal após os efeitos da crise do novo coronavírus.
Os brasileiros não estão otimistas de que poderão voltar às suas rotinas pré-pandemia neste ano. A pesquisa Global Advisor 2021 Predictions, realizada pela Ipsos, empresa de pesquisa de mercado independente, desde 2012 para analisar as expectativas de cidadãos do mundo sobre o ano que se inicia, apontou que somente 41% dos respondentes do Brasil acreditam que a vida no país voltará ao normal após os efeitos da crise do novo coronavírus.
A previsão brasileira reflete exatamente a opinião disseminada globalmente. Na média dos 31 países ouvidos pelo levantamento, o percentual de pessoas que não apostam em um retorno à normalidade também é de 41%. As nações que mais acham que 2021 será um ano normal - diferentemente do período pandêmico de 2020 - são China (90%), Arábia Saudita (75%) e Índia (63%). Por outro lado, França (16%), Reino Unido (23%) e Japão (26%) são os menos otimistas.
As expectativas para o ano que se inicia são pautadas no pessimismo de quase todas as nações. Em apenas três dos 31 países, mais da metade dos respondentes acredita que o mundo mudará para melhor por causa da pandemia de Covid-19. São eles: Índia (62%), Arábia Saudita (58%) e Peru (51%). No Brasil, só 21% acham que o mundo será melhor em 2021. A média global é de 30%.
Além disso, somente um em cada quatro brasileiros acredita que, em 2021, a economia do país se recuperará completamente dos efeitos da crise sanitária. Chineses (92%), sauditas (76%) e malasianos (61%) são os mais esperançosos, enquanto Reino Unido e Bélgica (ambos com 11%), França (14%) e Canadá (15%) duvidam de uma retomada econômica. Considerando as 31 nações, são 32%.
A pesquisa foi realizada com 15.700 entrevistas on-line, com adultos entre 16 e 74 anos de 31 países. Os dados foram colhidos entre os dias 23 de outubro e 06 de novembro de 2020. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 pontos percentuais.

Maioria acha que cuidados de proteção não serão mantidos

Um dos hábitos que o ano de 2020 trouxe para grande parte dos cidadãos do Brasil e do mundo foi o uso de máscaras, a fim de evitar a contaminação pelo novo coronavírus. Segundo afirmam os brasileiros, no entanto, a prática não deve ser mantida em 2021. Menos da metade dos entrevistados localmente (45%) acredita que as pessoas continuarão a usar máscaras em lugares públicos daqui um ano. Contabilizando todas as nações, são 61%.
Os índices mais altos de apoio às máscaras em lugares públicos foram em países orientais: Malásia (86%), Japão (83%) e China (81%). Em contrapartida, Suécia (18%), Nova Zelândia (30%) e Austrália (37%) não devem fazer deste um hábito recorrente no futuro.
Apesar de o endosso ao uso de máscaras em 2021 não ser alto, um número significativo de pessoas acredita que o ano pode trazer mais uma situação de crise na saúde mundial. No Brasil, 46% acham que haverá outra pandemia global causada por um novo vírus. A média entre todos os países é de 47%.

Expectativa de vacina contra a Covid-19 segue alta

Desde que a pandemia se instaurou no planeta, em meados de março de 2020, há a expectativa de que uma vacina seja desenvolvida para conter a doença. Para 2021, a esperança da população em uma vacinação eficaz segue alta. Entre os respondentes do Brasil, 73% acreditam que uma vacina bem-sucedida contra a Covid-19 será desenvolvida. Os mais esperançosos são China (92%), Israel e Malásia (empatados com 84%), e Arábia Saudita (80%). Em contrapartida, França (48%), Polônia (53%) e Alemanha (55%) são mais céticos em relação ao desenvolvimento de uma imunização efetiva.
Mesmo que a expectativa se concretize e que o mundo tenha uma vacina eficaz contra a Covid-19 em 2021, parte dos entrevistados não acredita que ela será amplamente disponibilizada em seus países. No Brasil, 62% confiam que a vacinação estará disponível em larga escala. No mundo todo, são 60%.
Comentários CORRIGIR TEXTO