Porto Alegre, terça-feira, 12 de janeiro de 2021.
Aniversário da Caixa Econômica Federal.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 12 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Magistério

- Publicada em 12h31min, 12/01/2021. Atualizada em 12h39min, 12/01/2021.

Cpers pede reconsideração de descontos na folha e negociação com Eduardo Leite

Ato em frente ao Piratini pede reavaliação dos descontos das direções de 40 escolas da 1ª CRE

Ato em frente ao Piratini pede reavaliação dos descontos das direções de 40 escolas da 1ª CRE


LUIZA PRADO/JC
Roberta Mello
Educadores ligados ao sindicato dos professores do Estado (Cpers) realizaram ato na manhã desta terça-feira (12) em frente ao Palácio Piratini - sede do Executivo gaúcho. Eles pedem que o governo do Estado reconsidere descontos sofridos pelos dias de greve em 2020 e a abertura de uma mesa de negociação com o governador Eduardo Leite. 
Educadores ligados ao sindicato dos professores do Estado (Cpers) realizaram ato na manhã desta terça-feira (12) em frente ao Palácio Piratini - sede do Executivo gaúcho. Eles pedem que o governo do Estado reconsidere descontos sofridos pelos dias de greve em 2020 e a abertura de uma mesa de negociação com o governador Eduardo Leite. 
O Cpers diz que os diretores de 40 escolas estaduais da 1ª CRE tiveram salário descontado por supostas faltas não justificadas no mês de outubro. "Recebemos depoimentos de diretores alegando que já justificaram e comprovaram à Seduc (Secretaria Estadual de Educação) que não havia justificativa para tais descontos", explica a presidente do Cpers/Sindicato, Helenir Schurer. A Seduc teria ficado de pagar os valores em folha suplementar, mas até agora isso não aconteceu, segundo o Cpers.  
Outro pleito é a revisão dos descontos de dias em greve do ano passado. Segundo Helenir, os professores recuperaram todos os dias e o governo estadual descontou mesmo assim. "Estamos na Justiça e queremos que o governo abra uma mesa de negociação para tratarmos deste assunto", salienta a dirigente.
Os descontos preocupam a categoria, que sofreu durante quase cinco anos com o parcelamento dos salários. Há apenas dois meses, o pagamento mensal voltou a ser feito integralmente e em dia, lembra Helenir.
"A categoria está muito endividada e estes descontos só contribuem para aumentar o endividamento. É fundamental que recuperemos esses valores para os nossos contracheques, amenizando os grandes problemas financeiros que a nossa categoria enfrenta", destaca a representante do magistério.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/01/12/206x137/1_lp_120121___protesto_cpers__3_-9226628.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ffdabef04fd2', 'cd_midia':9226628, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/01/12/lp_120121___protesto_cpers__3_-9226628.jpg', 'ds_midia': 'Ato do CPERS em frente ao Piratini contra os descontos ilegais das direções de 40 escolas da 1ª CRE, pelo pagamento dos dias de greve e o confisco dos aposentados(as)', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Ato do CPERS em frente ao Piratini contra os descontos ilegais das direções de 40 escolas da 1ª CRE, pelo pagamento dos dias de greve e o confisco dos aposentados(as)', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
No ato, educadores usavam máscaras no rosto e seguravam faixas pedindo "Vacinação Já". Foto Luiza Prado/JC
Segundo o Cpers, o Dia de Luta marca o início de mais um desafiador aos professores gaúchos, que "amargam seis anos de reajuste zero e salários corroídos pela inflação". No ato, educadores usavam máscaras no rosto e seguravam faixas pedindo "Vacinação Já".
Comentários CORRIGIR TEXTO